Yanis Varoufakis Press Conference Barcelona

A Catalunha é um problema Europeu que requer uma solução Europeia – Yanis Varoufakis

Numa conferência de imprensa nesta manhã em Barcelona, o co-fundador da DiEM25, Yanis Varoufakis, apresentou uma proposta para uma resposta europeia à crise catalã – uma que será discutida pelos membros do nosso movimento para que o DiEM25 defina uma proposta de política pan-europeia formal sobre a questão das regiões que procuram tornar-se estados.
Aqui está a declaração completa de Yanis:
“A resposta da UE à crise na Catalunha tem sido hipócrita (interveio nos “assuntos internos” da Grécia, Irlanda, Itália, etc.) e logicamente incoerente (ao esconder-se atrás da afirmação de que é uma união de estados, motiva o estado catalão ). Além disso, a UE foi responsável por alimentar o descontentamento que levou à crise atual na Catalunha – através da austeridade e dos resgates dos grandes banqueiros. Chegou a hora de europeizar a solução para um problema que é europeu tanto na natureza quanto nas causas.

 

Qualquer governo regional que solicite o apoio da UE na realização de um referendo de independência juridicamente vinculativo deve cumprir estas seis condições:
1) As eleições da região devem primeiro ser conquistadas (com a maioria absoluta dos eleitores) por um partido (ou uma coaligação de partidos) que propõe esse referendo.
2) Qualquer referendo subsequente deve ser realizado, em coordenação com a UE, no máximo um ano após essa eleição, para permitir um debate adequado.
Para a continuação da adesão à União por qualquer novo estado emergente de tal referendo, a constituição do novo estado deve comprometer-se a:
3) Garantir a liberdade de circulação entre o novo Estado e o resto da União Europeia, incluindo, é claro, o resto do país “antigo”.

4) Dar aos seus cidadãos o direito de (mas não obrigatório) ter a nacionalidade  do novo estado, a do país “antigo” e / ou a cidadania europeia.
5) Trabalhar em conjunto com as autoridades europeias para manter pelo menos o mesmo nível de transferências fiscais para o resto do país sob a forma de fundos de investimento canalizados, sob a supervisão das instituições europeias (incluindo o Banco Europeu de Investimento e sua implantação, o Fundo Europeu de Investimento ), nas regiões mais pobres do país antigo.

  6) Trabalhar em conjunto com as autoridades europeias para eliminar qualquer excedente comercial ou défice com o país “antigo”, bem como com outros Estados membros da UE.
Ninguém tem o direito de proibir os cidadãos de uma região europeia de aspirar a um estado. Ao mesmo tempo, nenhuma região pode aspirar a ser um Estado e, ao mesmo tempo, a ser membro de uma União Europeia democrática e funcional sem respeitar os princípios básicos de uma União Europeia democrática e funcional.
Uma versão mais longa da proposta de Yanis para desencadear o debate entre todos os membros do DiEM25 será lançada em breve.

 
 

Do you want to be informed of DiEM25's actions? Sign up here

Somos pela democracia… até ela estar ao nosso alcance

O Parlamento Português como um sintoma da falta de democracia na Europa. No mês passado, de modo pouco noticiado, a Assembleia da República ...

Ler mais

Debate público do DiEM25 em Portugal: “A esquerda progressista faz falta à Europa?”

No passado dia 2 de Julho organizámos o nosso primeiro debate aberto ao público com o título “A esquerda progressista faz falta à Europa?”. ...

Ler mais

A Grécia e a UE deixaram para trás mais de 27 mil pessoas no Mar Egeu

Um estudo revela um número alarmante de casos em que a Guarda Costeira Grega e a FRONTEX ordenaram a migrantes que encontrassem o seu próprio ...

Ler mais

Junta-te ao DiEM25 na Marcha Azul pelo Clima!

A Marcha Azul pelo Clima, organizada pela plataforma Salvar o Clima, será já na próxima quarta-feira, dia 29 de junho às 18:00. Começaremos na ...

Ler mais