Jeroen Dijsselbloem and Wolfgang Schäuble

A continuação do legado de Schäuble

Wolfgang Schäuble pode ter deixado o ministério das finanças, mas  a sua política de transformar a zona do euro numa gaiola de ferro de austeridade, que é a antítese de uma federação democrática, continua.
O que é notável sobre o mandato do Dr. Schäuble foi a forma como ele investiu fortemente na manutenção da fragilidade da união monetária, em vez de a erradicar para tornar a zona do euro economicamente sustentável e resiliente. Porque motivo o Dr. Schäuble pretende manter a fragilidade da zona do euro? Porque estava ele , nesse contexto, tão interessado em manter a ameaça de Grexit? A resposta é simples: porque um estado de fragilidade permanente foi fundamental para a sua estratégia de usar a ameaça de expulsão do euro (ou mesmo da retirada da Alemanha) para disciplinar os países com déficit – principalmente a França.
No fundo do pensamento do Dr. Schäuble, havia a crença de que, como uma federação é inviável, o euro é um regime de taxa de câmbio fixo glorificado. A única maneira de manter a disciplina dentro de tal regime era manter viva a ameaça de expulsão ou saída. Para manter essa ameaça viva, na zona do euro não poderia ser permitido desenvolver os instrumentos e as instituições que  a impediriam de ser frágil. Assim, a fragilidade permanente da zona do euro foi, do ponto de vista do Dr. Schäuble, um fim-em-si, em vez de um fracasso.
A ascensão do Partido Democrático Liberal (FDP) assegurará que a partida de Wolfgang Schäuble não altere a política de fazer o que for preciso para impedir a evolução da zona euro para uma macroeconomia sustentável. A única promessa do FDP aos seus eleitores foi a de impedir que os planos de Emmanuel Macron, rumo a alguma federalização, fossem aceites. Pior ainda, enquanto Wolfgang Schäuble entendeu que a austeridade e novos empréstimos eram catastróficos para países como a Grécia (mas insistiu neles como parte da sua campanha para disciplinar a França e a Itália), os seus sucessores do FDP no Ministério das Finanças serão provavelmente menos “esclarecidos” acreditando que o “medicamento resistente” é adequado para o propósito.
No entretanto a crise da economia social europeia, que alimenta os políticos xenófobos, continua.
 
 

Do you want to be informed of DiEM25's actions? Sign up here