Belgrade elections here we come!

A nuvem negra sobre os media na Sérvia – e o lado bom desta situação

Imagine um país com seis estações de televisão que dedicam 80% da cobertura eleitoral ao partido no poder, mas praticamente nunca num contexto negativo. Um país onde um único homem, o ex-primeiro-ministro e atual presidente dita a forma como os editores criam programas de TV e a forma como os jornalistas informam as notícias. Onde os primeiros 6 a 10 minutos – dos 30 – do horário nobre da televisão nacional Radio Televizija Srbije são quase exclusivamente dedicados ao referido presidente.


Imagine um país em que uma ampla gama de jornais sensacionalistas dirigidos pelo Partido Progresso Sérvio (SNS) usam todo o tipo de declarações difamatórias para desacreditar os políticos da oposição, chamando-os de traidores, acusando-os de serem pagos por “agências estrangeiras destabilizadoras”.

Agora imagine que este país está na Europa. E imagine que suas autoridades são fortemente apoiadas pelo establishment” da UE e aplaudidas por manterem a estabilidade nos Balcãs, aplicando diligentemente medidas de austeridade e tendo vendido anteriormente empresas públicas a investidores estrangeiros, mantendo os salários mínimos baixos para “criar um clima melhor” para os investimentos.

Jean Claude Juncker cumprimentou efusivamente Presidente Vučić pela sua vitória eleitoral em abril passado, que Vučić ganhou em circunstâncias muito duvidosas e que desencadeou um mês de protestos diários com 60 mil pessoas nas ruas.

Mais recentemente, Johannes Hahn, Comissário Europeu para a Política Europeia de Vizinhança e Negociações de Alargamento, deu respostas pífias às questões dos jornalistas sobre a liberdade de imprensa na Sérvia, afirmando que “não existe um modelo perfeito, mas pode-se olhar para outros países como exemplo para melhorar a situação, é um processo contínuo “.

Finalmente, imagine um movimento de base financiado exclusivamente por doações de cidadãos, a fazer campanha para entrar na Câmara Municipal de Belgrado sob estas circunstâncias. Esta é a situação em que o “Do not Let Belgrade D (r)own” – juntamente com os ativistas DiEM25 em Belgrado – está a enfrentar.


A apresentação da Iniciativa via RTS foi quase proibida devido à classificação atribuída: “conteúdo inadequado” . Foi só depois de a notícia chegar a algumas media independentes que a RTS permitiu que o vídeo fosse transmitido. E este é apenas um exemplo de violações grosseiras de regras sobre a representação partitária de todos os candidatos eleitorais.

Esse tipo de situação nos media foi, infelizmente, regulamentada por partidos de oposição do estilo “tudo na mesma”- que agora concorre contra o SNS – usando a retórica familiar do mal menor. A iniciativa muitas vezes sofre fortes golpes da oposição, também acusada de “tirar” os votos do “establishment” ao mesmo tempo que presta pouca atenção às reivindicações principais do movimento ou às queixas de seus membros.

Em suma, Do not Let Belgrade D (r)own é um jogador num campo de jogo muito desigual. Considere também o facto que existem 24 listas de candidatos para representantes na Câmara Municipal – mais da metade está vinculada ao partido no poder. Isso, naturalmente, cria confusão entre os cidadãos e desvaloriza as vozes da oposição.

Mas não entremos em desespero: há um lado bom. Em primeiro lugar, seja qual for o resultado das eleições, a Iniciativa já mudou o discurso de toda a campanha. Tenta responder ao desafio de forma nova e progressiva e consequentemente a maioria dos partidos da oposição foi forçada a adotar a defesa dos bens públicos, a proteção dos direitos dos trabalhadores, pensões e desafiar a privatização e as parcerias público-privadas. Também nos obrigou a ser mais criativos: Levámos um “Duckmobile” para as ruas de Belgrado – e para perto das pessoas. A rejeição do nosso movimento por parte dos media levou-nos à rua: conversas cara-a-cara com cidadãos que agora se sentem empoderados para participar nas suas políticas locais.


Este é o vento que vai empurrar o Do not Let Belgrade D (r)own para a Câmara Municipal – e é mais um passo na luta pela nossa cidade.  

Milena é membro do CED Belgrado 1

Do you want to be informed of DiEM25's actions? Sign up here