Desigualdade salarial entre homens e mulheres: lutando pelas migalhas

20 de Novembro deste ano, marcou o dia em que as mulheres começaram a trabalhar efectivamente de forma gratuita.

Todos os anos a Sociedade Fawcett calcula, de acordo com os números das desigualdades salariais entre homens e mulheres, o Dia da Igualdade Salarial – o dia em que as mulheres “efectivamente, em média, deixam de ganhar salário em relação aos homens”, que este ano foi no dia 20 de Novembro.

As mulheres, não só tendem a obter empregos mais precários e pior remunerados, como também recebem menos quando desempenham as mesmas tarefas que os homens. Além disso, as mulheres acabam por aceitar mais empregos a tempo parcial, não orientados para a carreira, pois também se espera que cuidem de todo o trabalho doméstico, emocional e mental não remunerado. O trabalho das mulheres tem sido historicamente enquadrado como um recurso natural, utilizado como um utensílio do capitalismo e da sua necessidade de uma mão-de-obra mal remunerada e que tem de ser alimentada, limpa, cuidada e reproduzida.

A pandemia tornou presente e visível o que já era cada vez mais evidente.

Um sistema que celebra a masculinidade e os actos heróicos de acumulação e concentração de riqueza acima de tudo, à custa do que historicamente foi naturalizado como sendo explorável. A vulnerabilidade das mulheres e o seu estatuto remuneratório têm sido postos em evidência à medida que vemos trabalhadores de primeira linha, que são desproporcionalmente compostos por mulheres, trabalhadores domésticos migrantes e pessoas de cor.

O chefe da ONU António Guterres advertiu que os impactos da pandemia da COVID-19 estão a cair “desproporcionalmente sobre os mais vulneráveis: pessoas que vivem na pobreza, os trabalhadores pobres, mulheres e crianças, pessoas com deficiência, e outros grupos marginalizados”. Com muitas organizações e empresas forçadas a reduzir o tamanho ou a declarar falência, as mulheres são as mais afectadas por estas mudanças.

As mulheres têm ainda sido as primeiras a perder a sua fonte de rendimento, enquanto que as indústrias lideradas por mulheres ou as que são principalmente atribuídas às mulheres (serviços alimentares, retalho, entretenimento, hospitalidade, etc.) são os sectores mais duramente atingidos pela pandemia. Para além dos efeitos negativos no emprego das mulheres, a reorganização da divisão do trabalho deslocou-se fortemente para as mulheres. O trabalho de cuidados não remunerados explodiu, com as mulheres a assumirem a maior parte da responsabilidade.  O impacto da pandemia tem estado presente ao longo das dimensões de género e raça. Estas consequências irão provavelmente durar mais do que a pandemia, mas infelizmente as questões centrais do trabalho precário não remunerado, e a marginalização das mulheres nos papéis de decisão não são novas. Elas têm sido o foco do DiEM25 Green New Deal for Europe, que propõe uma transição justa e sustentável. Iniciativas como o Green New Deal para a Europa, poderiam ter um impacto directo no tipo de desigualdades sistémicas, que criam disparidades salariais em função do género.

O discurso em torno da paridade de género na remuneração tende a trazer poucos resultados: desde o ano passado, por exemplo, as mulheres, segundo a mesma investigação, tiveram de trabalhar 6 dias menos gratuitamente. Maus resultados alcançados através de muita luta politica.

Então, como é que toda esta estrutura se mantém? As disparidades de género têm sido uma grande exportação colonial, reestruturando povos e sociedades colonizadas ao longo de sistemas de poder que excluíam as mulheres dos processos de tomada de decisão. O mesmo acontece com novas disparidades enraizadas através da violência sistémica, a fim de governar a distribuição e utilização de recursos (materiais e sociais). Isto contribuiu para a naturalização da exclusão e exploração das mulheres até aos dias de hoje. O feminismo na sala de reuniões, tornou-se numa paródia da supremacia masculina e dos seus jogos de privilégios no local de trabalho: nunca se pretendeu questionar o sistema que eleva pessoas, como Sheryl Sandberg, ao topo do poder. De facto, o seu interesse é manter o que conquistou, confirmando o o sistema que lhe conferiu acesso ao poder e status como resultado.

Durante a COVID-19, tornou-se palpável que este antigo sistema entrou em colapso.

A luta pela igualdade salarial é uma distracção catalisadora, destinada a dissipar a resistência e a mudança. Reduzir equilíbrios e injustiças utilizando mecanismos como a igualdade e a paridade dissipa a produção de anomalias e desvios, frustrando novas possibilidades e potenciais inerentes aos “interstícios das instituições, em práticas contrárias e novas formas de comunidade… existentes simultaneamente e em contradição”. (De Laurentiis, A Tecnologia do Género). Tal é o potencial dos movimentos de base como DiEM25 e o seu potencial para abordar desequilíbrios sistêmicos com narrativas que são construídas a partir do zero.

Lutar por quem recebe menos ou mais não nos vai trazer a mudança de que precisamos.

O sistema atira-nos migalhas e lutamos entre nós por elas, e nessa luta reafirmamos esse mesmo sistema de desigualdades. As propostas DiEM25 de um salário básico destinado aos cuidadores informais e não remunerados, vai no sentido de corrigir os desequilíbrios históricos na distribuição da riqueza através de disparidades de rendimento. No entanto, precisamos de impulsionar uma mudança sistémica, que combata a forma como as economias liberais transnacionais justificam a exclusão das mulheres e raparigas dos principais órgãos de decisão económica, assegurando assim a sua continuidade.

Precisamos de trazer as mulheres para os processos formais de tomada de decisão política e económica se quisermos assegurar um futuro construído sobre diferentes premissas. Um desenvolvimento interessante é o Green New Deal Feminista e como ele coloca o feminismo no centro do palco como componente necessário no processo de tomada de decisão que procura assegurar o fim do silenciamento das mulheres.

Assim, embora tenhamos de coexistir com um sistema de desigualdades salariais concebido para antagonizar e exacerbar as disparidades (como atirar sal numa ferida, uma tortura lenta que enfraquece e dissipa a nossa determinação), não é imperativo que negociemos com ele.

Atingir a igualdade salarial não é suficiente.

Temos de quebrar o próprio sistema que coloca os dois géneros, um contra o outro, em todas as suas qualidades performativas, assim como reconhecer e compensar o trabalho invisível, que tem mantido a sociedade unida, se quisermos ver outras possibilidades e ter uma ideia dos horizontes que estão disponíveis para todos nós. Como mencionado, o Green New Deal vai ao encontro disto através da introdução de um “care income” ou salário básico para cuidadores informais e não remunerados.

Podemos ir mais longe e mais fundo. A formulação de políticas com uma perspectiva feminista e transeccional (ao longo de todas as secções historicamente feminizadas e racializadas da sociedade) irá libertar potencialidades e criar oportunidades.

Junta-te ao DIEM25 para ter uma palavra a dizer sobre a visão de um futuro pan-europeu verdadeiramente democrático.

Fotogradia de Tatiana Syrikova da Pexels.

Do you want to be informed of DiEM25's actions? Sign up here