Nova resolução da UE: como o antifascismo e o fascismo se tornaram a mesma coisa

O Parlamento Europeu aprovou por esmagadora maioria uma resolução comum que está a abrir caminho à demonização da esquerda progressista, numa tentativa de equiparar os fascistas aos que lutaram contra eles.

A 19 de Setembro, nove deputados do Parlamento Europeu, em nome do Grupo Renovar (antiga Aliança dos Democratas e Liberais pela Europa, ALDE, agora fundida com a “Renascença” de Macron), apresentaram uma proposta de resolução que foi aprovada no mesmo dia pelo Parlamento Europeu – com os votos do Partido Popular, dos Sociais-Democratas, dos Liberais, dos Verdes e dos Reformistas Conservadores. O prefácio desta moção diz que o seu objectivo é “encerrar o debate” sobre “a importância da memória europeia para o futuro da Europa”. A resolução sublinha “a importância de manter vivas as memórias do passado, porque não pode haver reconciliação sem memória, e reitera a sua posição unida contra todo o regime totalitário, independentemente do seu contexto ideológico”. Apela a “todos os Estados-Membros da UE para que comemorem o dia 23 de Agosto como o Dia Europeu da Memória das Vítimas dos Regimes Totalitários”.

Tudo isto pode parecer legítimo, mas as suas falsas premissas e resultados potencialmente perigosos podem exigir a análise de um livro inteiro. Pode resumir-se numa simples frase: trata-se de uma tentativa de equiparar os fascistas aos que lutaram contra eles.

Escrito numa linguagem magistralmente aperfeiçoada da burocracia europeia, reescreve o passado, o presente e o futuro do continente. O como e o porquê da questão é fundamental para compreender a lógica TINA de uma aparentemente estranha coligação entre o establishment europeu e a extrema-direita.

A espinha dorsal desta resolução é o revisionismo histórico, a que temos assistido em toda a Europa (e para além dela) durante décadas. O seu foco principal é a história da Segunda Guerra Mundial e do período pós-guerra. O recrudescimento do revisionismo histórico é particularmente forte nos antigos países socialistas, onde a condenação justificável do expansionismo violento soviético é usada para estigmatizar o comunismo, bem como outras ideias socialistas e de esquerda, e reabilitar os colaboradores dos nazistas na Segunda Guerra Mundial. Nestes casos de branqueamento da história, há omissões intencionais de factos cruciais: por exemplo, que aqueles que se opuseram às invasões soviéticas na Hungria em 1956 e na Checoslováquia em 1968 eram eles próprios comunistas, ou que, no caso da Jugoslávia socialista, isso não fazia parte do pacto de Varsóvia, para começar.

Moscovo, 24 de Agosto de 1939: aperto de mão de Estaline e Ribbentrop após a assinatura do Pacto de Varsóvia (Pacto de não-agressão germano-soviético)

A nova resolução do PE usa o abominável pacto de não-agressão Hitler-Stalin ou Molotov-Ribbentrop (os seus ministros dos Negócios Estrangeiros) como ponto de partida, dando-lhe um toque curioso: diz explicitamente que o pacto “abriu caminho para o início da Segunda Guerra Mundial”.

Isso significa que o que Hitler estava a fazer até aquele momento estava muito bem? A perseguição de judeus, anexações da Áustria e da Checoslováquia, atrocidades da Guerra Civil Espanhola, foram apenas pequenos incidentes que não abriram o caminho para o início da guerra?

Como em todos os casos de revisionismo histórico, omissões importantes seguem declarações baseadas em meias verdades, como a omissão do Acordo de Munique, assinado pela Alemanha Nazista, Itália fascista, França e Reino Unido, que abriu o caminho para a anexação nazista da Checoslováquia, ou a Declaração Anglo-Alemã de não-agressão que imediatamente se lhe seguiu; ou a falta de apoio das democracias ocidentais aos antifascistas na guerra civil espanhola – a tentativa de “apaziguamento” da Alemanha Nazi. A resolução não diz que o pacto inicial entre a Alemanha nazista e o Japão assinado em 1936 (mais tarde acompanhado pela Itália, Espanha e vários estados-fantoche nazistas e japoneses) foi chamado de Pacto Anti-Cominternista, afirmando o comunismo como o principal inimigo das forças fascistas. Nenhum destes factos isenta a União Soviética da responsabilidade pelo pacto Molotov-Ribbentrop.

Mas nós não vemos resoluções sobre a responsabilidade do capitalismo liberal pela eclosão da Segunda Guerra Mundial.

Não vão passar! Banner republicano em Madri lendo “Fascismo quer conquistar Madri”. Madrid será a sepultura do fascismo” durante o cerco de 1936-39

O outro ponto principal da Resolução, relacionado e decorrente do revisionismo, é a insistência nas vítimas dos “regimes totalitários”, nomeando explicitamente Estalinismo e Nazismo, mas utilizando o Estalinismo e o Comunismo indistintamente, como na afirmação de que “os regimes nazi e comunista levaram a cabo assassínios em massa, genocídios e deportações e causaram uma perda de vida e de liberdade no século XX numa escala nunca vista na história humana”. Equacionar genocídios de base racial dos regimes nazis com os inegáveis assassinatos e encarceramentos em massa de inimigos políticos de Estaline é pelo menos tão problemático como atribuir os crimes de Estaline ao comunismo. Equacionar a ideologia que tem a igualdade como principal objectivo com a que defende a pureza racial e o genocídio é logicamente insustentável e hipócrita.

A única ideologia, além do nazi-fascismo, que durante todo o século XIX e grande parte do século XX usou o racismo como forma de justificar os seus crimes, foi o capitalismo. Inúmeros crimes – assassinatos em massa, genocídios e deportações – foram cometidos, baseados em idéias de darwinismo social e inferioridade das populações africanas, asiáticas ou nativo-americanas, tudo em nome do progresso e da conquista de capital na era do imperialismo.

Mas suas vítimas não eram (principalmente) européias. Ainda hoje, o número de mortos na batalha pelo lucro aumenta a cada dia, especialmente (mas não exclusivamente) nos países do Terceiro Mundo. No entanto, não há dias ou monumentos que comemorem as vítimas do capitalismo, ainda que a relação entre o crime e a ideologia seja muito mais fácil de provar do que a relação entre os crimes de Estaline e o comunismo.

Praticamente nenhum esquerdista – sejam eles comunistas, social-democratas, anarquistas, socialistas democráticos ou qualquer outro tipo – nega ou branqueia os crimes do estalinismo, ou toma a União Soviética de Estaline como modelo a seguir. De onde vem, então, esta necessidade de condenar o comunismo? Uma das razões é a renovada guerra fria contra a Rússia de Putin, reflectida no apelo “à sociedade russa para que se reconcilie com o seu trágico passado”. Na verdade, a administração de Putin usou invocações dos tempos de Estaline como a era da força nacional, mas nunca se referindo ao comunismo. O próprio Estaline não usou o apelo do comunismo, mas o do sentimento nacionalista e imperialista, para mobilizar a população para anexações de partes da Polónia e dos Estados Bálticos. Independentemente do seu regime autoritário e das tendências imperialistas, a Rússia de hoje não é de modo algum o poder que apresenta tal perigo como a União Soviética de Estaline já o fez. Mas é uma ferramenta poderosa para o medo e proteger o status quo na Europa, bem como absolver governos nacionalistas extremistas dos países da Europa Oriental da UE.

Bandeira da Arditi del Popolo, secção Civitavecchia, um grupo antifascista italiano militante fundado em 1921 para resistir à ascensão do Partido Fascista Nacional de Mussolini

A outra razão que vem das páginas da resolução é esconder as deficiências da actual UE e a crescente desigualdade entre os países do “núcleo” e os da periferia, particularmente na Europa Oriental. Afirma que, após o fim da Segunda Guerra Mundial, “alguns países europeus foram capazes de reconstruir e embarcar num processo de reconciliação, enquanto outros países europeus permaneceram sob ditaduras – alguns sob ocupação ou influência directa soviética – durante meio século e continuaram a ser privados de liberdade, soberania, dignidade, direitos humanos e desenvolvimento socioeconómico” (ênfase minha). Essa afirmação, além de ser uma generalização errada e generalizada, ignora o fato de que muitos desses países, inclusive a Rússia, passaram de sociedades agrícolas gravemente subdesenvolvidas a países industrializados com infra-estrutura desenvolvida e fortes direitos dos trabalhadores, sem mencionar um nível mais alto de emancipação das mulheres do que a maioria dos países do centro capitalista. Também simplifica intencionalmente as causas do desenvolvimento desigual contemporâneo dentro da UE, omitindo fatos importantes, como a história das privatizações predatórias durante o chamado período de “transição pós-socialista”, e a própria estrutura da União que assegura a perpetuação da desigualdade.

Por outro lado, equiparar o nazismo e o fascismo ao comunismo, enquanto ressoam as reflexões do presidente dos EUA sobre “pessoas legais de ambos os lados” durante os conflitos entre racistas e antifascistas em Charlottesville, em 2017, permite ao establishment europeu deslegitimar e desacreditar seu único adversário verdadeiro e viável – a esquerda progressista.

O facto de esta Resolução ser um esforço conjunto dos partidos de direita e neoliberais do Parlamento Europeu demonstra que as suas declarações de preocupação com “todas as formas de negação do Holocausto, incluindo a banalização e minimização dos crimes perpetrados pelos nazis e seus colaboradores”, são apenas isso. Reescrever o passado da Segunda Guerra Mundial, em que os movimentos antifascistas esquerdistas, assim como o exército soviético, foram a espinha dorsal da luta contra os nazistas em toda a Europa – na Itália, Grécia, Iugoslávia, França – significa reescrever o futuro da Europa, em que só a agenda radical progressista e internacionalista pode superar os terríveis resultados das políticas neoliberais e o surgimento de forças neofascistas que essas políticas permitiram.

A “resolução do PE sobre a memória” visa manter o status quo que colocou o continente e o planeta à beira do colapso. Temos de lutar contra isso!

Um toque de ironia para o fim. Uma das facetas mais cínicas, embora muitas vezes não percebidas, da resolução é a condenação dos “regimes totalitários”, na era do capitalismo de vigilância (termo criado por Shoshana Zuboff). O totalitarismo implica o controle total sobre todos os aspectos da vida dos cidadãos, e tanto Hitler como Estaline só poderiam ter sonhado com os meios que o capitalismo de vigilância oferece aos Estados, assim como às grandes empresas, para controlar os desejos e ações mais íntimos de populações inteiras.

Milena Repaji é historiadora e membro do CED de Belgrado 1

Foto no topo: Manifestação socialista do 1º de maio de 1912 em Union Square, New York City

Do you want to be informed of DiEM25's actions? Sign up here

Doar para a causa