O DiEM25 apresenta um Plano de 3 Passos para lidar com a depressão COVID-19


Plano de 3 Passos do DiEM25 para a Pandemia de COVID-19

  • Etapa 1: Emitir €1 trilião de Eurobonds do BCE
  • Etapa 2: Injectar um Pagamento em Dinheiro de Solidariedade Europeia de €2000
  • Etapa 3: Introduzir um Programa Europeu de Recuperação e Investimento Verde

Introdução: Vidas, Meios de subsistência e a União no limite
A pandemia do COVID-19 é o maior teste do projeto europeu na história da União – e nós estamos a chumbá-lo.
A solidariedade deveria ser um princípio fundamental da UE. Mas falta solidariedade no momento em que é mais necessária.
O COVID-19 revelou uma verdade fundamental: a Europa é tão saudável quanto seu morador mais doente, apenas tão próspera quanto o mais falido.
Mas a liderança da UE está paralisada pela sua mentalidade de mendiga-ao-teu-vizinho e agora de adoece-o-teu-vizinho.
O preço desse fracasso não será meramente o de vidas perdidas e meios de subsistência destruídos. Será a desintegração da própria União.
Em consonância com o seu Novo Pacto Verde para a Europa, o DiEM25 propõe um plano de três passos para proteger todos os residentes europeus, evitar uma depressão económica e impedir o colapso da União.
Quatro Factos
O nosso plano tem como premissa quatro factos básicos.

  1. A dívida pública aumentará e deve aumentar: A queda vertiginosa do rendimento do sector privado deve ser substituída pelas despesas do governo. Caso contrário, as falências destruirão grande parte da capacidade produtiva da Europa e, assim, esgotarão ainda mais a base tributável.
  2. O aumento indiscriminado da dívida pública não nos deve dividir: A última crise do euro destruiu a posição fiscal de alguns estados membros, melhorando a posição fiscal de outros. Os resultados são capacidades de absorção fiscal muito diferentes na zona do euro. Se o aumento da dívida pública não for um fardo compartilhado, a nova crise do euro destruirá a última chance de manter a União Europeia unida após a derrota do próprio vírus.
  3. Uma Eurobond é essencial, mas o diabo reside nos detalhes: Nove governos da zona do euro exigiram, com razão, a emissão de uma Eurobond para que o ónus do aumento da dívida pública seja compartilhado. Mas as questões mais importantes permanecem: Qual a instituição que deve emiti-la? E quem vai garanti-la? O DiEM25 acredita que há apenas uma resposta: uma Eurobond emitida pelo BCE e garantida exclusivamente pelo BCE.
  4. Uma Eurobond é essencial, mas não é suficiente: São necessárias mais duas intervenções. Durante a pandemia, a Europa deve injectar dinheiro diretamente na conta bancária de todos os cidadãos imediatamente, a fim de evitar o maior número possível de falências e de perda de meios de subsistência. Uma vez que a pandemia recue, a Europa deve iniciar um programa de investimento verde considerável, eficaz e comum, a fim de melhorar a capacidade geral da Europa de se recuperar.

Três Passos para Unificar a Europa e Evitar uma Depressão COVID-19

Etapa 1: o BCE deve emitir € 1 trilião em Eurobonds do BCE
Os que pedem uma Eurobond estão certos: é a única maneira de suportar o aumento da dívida pública sem quebrar a União. A questão é:  Quem a deve emitir? E quem deve garanti-la.
A Europa possui três instituições que poderiam emitir a tão necessária Eurobond: O Mecanismo Europeu de Estabilidade (MEE). O Banco Europeu de Investimento (BEI). E o Banco Central Europeu (BCE). No entanto, duas dessas instituições são inadequadas para a tarefa urgente em mãos.

  • Mecanismo Europeu de Estabilidade: O MEE não deve ser a instituição emissora por dois motivos. Primeiro, o seu estatuto obriga a que todos os seus empréstimos detenham condicionalidades que nenhum governo aceitará. Segundo, mesmo que essas condicionalidades sejam dispensadas, os títulos “sintéticos” do MEE contêm as sementes da fragmentação da Europa.
  • Banco Europeu de Investimento: O BEI deve ser utilizado para emitir títulos de investimento, e não Eurobonds para arcar com a dívida pública. (Ver a Etapa 3 abaixo)

Ficamos com o BCE: A única instituição da UE capaz de emitir Eurobonds terapêuticos não sintéticos.
Em vista do exposto, o DiEM25 propõe que:
O BCE emita uma Eurobond de vencimento a longo prazo em 30 anos por 1 trilhão de euros garantida exclusivamente pelo BCE, com possibilidade de emissão adicional se necessário.
Os €1 trilhão recolhidos pelo BCE serão então utilizados para substituir a dívida nacional, proporcionalmente às recessões nacionais induzidas pelo coronavírus e aos seus custos de saúde pública.
Dada a maturidade de três décadas desses Eurobonds do BCE, a UE terá três décadas para decidir como reembolsar seu banco central. O DiEM25 acredita que apenas um governo federal eleito democraticamente na Europa pode tomar essas decisões. Sem ele, as medidas de emergência do BCE apenas aprofundam o défice democrático da Europa, ameaçando novamente a sobrevivência da União.
Etapa 2: O BCE deve injectar um Pagamento em Dinheiro de Solidariedade Europeia de €2000 a todos os residentes europeus
Atualmente, inúmeros europeus estão presos sem capacidade de ganhar dinheiro. Eles precisam de dinheiro imediatamente, não de empréstimos ou apoios que envolvam burocracia excessiva.
Por esse motivo, apelamos ao BCE para financiar imediatamente os bancos comerciais da Europa, com €2000 por cada cidadão europeu, para serem creditados diretamente nas suas contas.
Quanto aos não detentores de contas bancárias, o BCE deve fornecer dinheiro a um banco por estado-membro que emita cartões de débito numerados e anónimos, a serem desembolsados pelas autoridades locais e nacionais a todos os residentes sem contas bancárias.

  • Ninguém diga que isso não pode ser feito! Em resposta ao COVID-19, as autoridades de Hong Kong creditaram US $ 1250 na conta de cada residente. Em resposta à crise financeira de 2008, o governo australiano fez o mesmo, poupando ao país a mesma recessão que se espalhou violentamente pela Europa.
  • Ninguém diga que não há dinheiro para isso! O custo total do pagamento em dinheiro da solidariedade europeia de 2000 € a todos os cidadãos europeus custará 750 bilhões de euros ao BCE – precisamente o montante que o BCE acaba de anunciar que aplicará numa flexibilização quantitativa: a mesma flexibilização quantitativa que falhou, antes da pandemia, ajudar a Europa a sair da sua estagnação.
  • Ninguém diga que não é ‘sustentável’! No final do ano, os estados podem tributar indivíduos na proporção do seu rendimento geral, recuperando alguns desses pagamentos em dinheiro, se necessário.

Etapa 3: A UE deve criar um Programa Europeu de Recuperação e Investimento Verdes
Quando o bloqueio da Europa terminar, indústrias inteiras vão estar em processo de insolvência, necessitando desesperadamente de reinvestimento e reorientação.
A Europa não se pode dar ao luxo de desperdiçar esta crise, como fez com a última.
A crise do euro deixou a Europa com menos potencial de crescimento verde e com menos capacidade de competir com a China e com os Estados Unidos nas tecnologias do futuro. Não podemos dar-nos ao luxo de responder a esta crise com com mais austeridade, maior divergência, menos investimento e escassez de empregos de qualidade.
É por isso que a União Europeia necessita de um programa europeu de recuperação e investimento verde pós-pandemia permanente, financiado por uma aliança do BEI e do BCE e implementado por uma nova Agência Europeia de Recuperação Verde.
O DiEM25 propõe que o Conselho Europeu:

  • Encarregue o Banco Europeu de Investimento (BEI), e o seu subsidiário, o Fundo Europeu de Investimento (FEI), de emitir títulos do BEI-FEI aproximadamente a 5% do PIB da UE a serem garantidos no mercado de títulos pelo BCE.
  • Estabeleça a Agência Europeia de Recuperação Verde (AERV) com a missão de direcionar os fundos arrecadados pela aliança BEI-BCE à união de energia verde e ao fornecimento de saúde pública, educação pública e outros bens públicos em toda a União.

Conclusão: a Europa unificar-se-á ou morrerá.

A criação do euro colocou a UE num caminho bifurcado que levará à sua unificação ou desintegração. Nunca existiu um terceiro desfecho possível.
A crise do euro foi congelada, mas nunca curada, pelas intervenções do BCE. Mas a emergência COVID-19 agora impossibilita que a crise do euro permaneça congelada.
A UE unificar-se-á para enfrentar esta crise sem precedentes, ou perecerá. 
O Plano de ação de Três Passos do DiEM25 oferece o único caminho para a unificação. As três políticas que propomos são imediatamente implementáveis e consistentes com a letra dos Tratados da UE.
Elas prometem:

  • Compartilhar o ónus da dívida entre os Estados Membros da UE
  • Oferecer o grande estímulo discricionário de que a Europa precisa
  • Corrigir o erro de categorização da UE em confundir uma crise de  insolvência com uma crise de liquidez
  • Proteger os residentes europeus da perda de rendimentos para o COVID-19
  • Realizar investimentos públicos verdes para ajudar a Europa a recuperar-se de forma sustentável.

Uma vez implementado o plano de ação de três passos do DiEM25, a Europa terá a hipótese de se tornar uma União genuína e democrática. A única outra opção é a desintegração.

Do you want to be informed of DiEM25's actions? Sign up here