O DiEM25 e o referendo no Reino Unido

À medida que se aproxima o referendo de 23 de Junho, o povo britânico está a ser bombardeado por um falso dilema: permanecer numa UE antidemocrática ou sair da UE na falsa esperança de, fora dela, restaurar a sua soberania democrática.

  • Ninguém acredita na afirmação de David Cameron (nem mesmo o próprio PM!) quando este diz que o seu recente acordo em Bruxelas reformou a UE e democratizou as suas práticas. Assim, o PM está, basicamente, a pedir aos eleitores que se entreguem a uma Bruxelas que é hoje uma zona livre de democracia, pois é esse o interesse da city, do comércio, dos estudantes Erasmus, etc.

  • Igualmente vazios são os argumentos no campo do Brexit, de recuperar a soberania democrática através de um recuo para o casulo do estado-nação, permanecendo dentro do mercado único europeu e cedendo à perda quase total da soberania que o TTIP exige.

O referendo de 23 de Junho oferece ao povo do Reino Unido uma oportunidade real de recuperar a sua democracia. Mas para que isso aconteça deverá optar por ficar na UE e juntar forças com os democratas de todo o continente, no sentido de democratizar a UE.

  • Permanecer na UE por inércia ou medo seria uma oportunidade desperdiçada, já que apenas prolongaria a participação apática e hostil do Reino Unido na UE, que por sua vez deixa inquestionado o desrespeito de Bruxelas para com a democracia.

  • Deixar a UE é igualmente uma não-solução, pois não só irá falhar na restauração da soberania (por cortesia do Mercado Único e do iminente TTIP), mas também porque vai acelerar o processo de desintegração da UE. Ao invés de comemorar o fim das instituições problemáticas da União Europeia, o povo do Reino Unido deverá considerar as repercussões desta desintegração: O colapso da UE (já em fragmentação) provocará uma depressão económica continental que será o melhor presente para as piores forças políticas de toda a Europa. Um vórtice assustador abrirá um buraco negro de declínio económico e de políticas tóxicas. Consequências terríveis às quais o povo britânico não será capaz de escapar, mesmo fora da UE.

Por estas razões, o DiEM25, o Movimento para a Democracia na Europa, convida todos os eleitores britânicos a rejeitar tanto o embuste de Bruxelas do Sr. Cameron como a ilusão de que a saída irá reforçar a democracia britânica.

O DiEM25 convida o povo do Reino Unido a abraçar um terceiro caminho: Uma onda de democracia que penetre as instituições da UE contra a vontade de interesses instalados. Contrariamente ao conhecimento comum, a democratização da UE é o único caminho para devolver um maior grau de soberania à Câmara dos Comuns.

 No dia 23 de Junho, votamos PERMANECER para iniciar o bom combate para uma UE democrática como pré-requisito para um Reino Unido soberano.

(Original: https://diem25.org/diem25-and-the-uk-referendum)

Queres receber informação sobre as ações do DiEM25? Junta-te aqui

Ei, patrão, deixa os miúdos em paz

Não façamos, em Portugal, dos nossos jovens uma fonte alternativa barata de lucro, como na Holanda

Ler mais

E agora, quem condena a censura e o cancelamento?

Varoufakis foi proibido de visitar a Alemanha e de fazer qualquer tipo de atividade política, incluindo por zoom. Onde estão então, neste ...

Ler mais

Neoliberalismo e Extrema-Direita: A Aliança do Descontentamento

O alavancar do Chega não é apenas fruto de um Portugal intolerante, racista e xenófobo, é, sobretudo, resultado de medidas económicas ...

Ler mais

O MERA25, partido político do DiEM25 na Alemanha, condena a viragem autoritária da Alemanha: Governo alemão apanhado a mentir sobre proibição de Yanis Varoufakis

O Ministério da Administração Interna alemão ultrapassou grosseiramente a sua autoridade ao impor uma proibição antidemocrática ao líder do ...

Ler mais