Franco "Bifo" Berardi

O inevitável e imprevisível

DiEM25 é a primeira tentativa de criar uma nova experiência política que não aceita qualquer regressão para a dimensão nacional. É por isso que apoiei o DiEM25 desde o início do projeto.

Agora, o DiEM25 será apresentado em algumas cidades italianas e essa é a minha contribuição para a discussão.

A dissolução política da União Europeia parece inevitável, já que o racismo e o nacionalismo estão a crescer em muitos países da Europa. Devemos lembrar-nos das palavras de John Maynard Keynes: o inevitável geralmente não acontece, porque o imprevisível prevalece em vez disso.

DiEM25 tem esta função: ajudar o imprevisível a emergir.

O crescimento do nacionalismo e do racismo não é uma conjuntura provisória, mas a manifestação da morte do internacionalismo e o desmantelamento da ilusão neoliberal.

O internacionalismo foi outrora a única forma de evitar uma guerra civil global. A Guerra civil da Jugoslávia marcou o fim do internacionalismo.
Observemos as dinâmicas na Europa.

Em França, Emmanuel Macron (que foi eleito com um número embaraçosamente baixo de votos, face a uma abstenção eleitoral de 56 por cento) está envolvido na aplicação de medidas de austeridade contra os salários e a dignidade do trabalho e simultaneamente apoia uma forma de protecionismo económico e nacionalismo agressivo, um “nacional-liberalismo”.

Na Alemanha, um psicodrama hipócrita está ocorrer: a imprensa e os políticos estão a reclamar porque noventa racistas nacionalistas entraram no Bundestag, mas esquecem-se que a origem dessa tragédia reside nas reformas do mercado de trabalho do ex-chanceler Gerhard Schröder.

O apoio cínico do centro-esquerda para a liberalização económica da Economia está a ressuscitar o nazismo. Joschka Fischer diz que a Alemanha está entrar numa situação semelhante a Weimar. Ele está errado: toda a Europa está à beira de uma situação semelhante a Weimar..

Na Catalunha, a cidade cosmopolita e libertária de Barcelona está entre um renascimento do franquismo centralista de Madrid e do nacional-liberalismo catalão, que agita a bandeira do independentismo.

No fundo, podemos vislumbrar a grande migração a transformar-se numa emergência intratável, porque a União se recusou a lançar um projeto de receção e integração. Os trabalhadores estrangeiros são muito necessários pelas populações em envelhecimento da Europa.

A União Europeia optou por ser uma fortaleza, mas essa fortaleza é frágil: a era da maioria branca acabou por razões culturais e técnicas.

 Kim Jong-un disse: “Os ocidentais devem acordar do sonho de que eles estão seguros quando eles trazem a morte para as terras de outros povos porque os outros povos não conseguem reagir. Agora podemos trazer a morte para as terras do Ocidente “.

Sabemos que isso é verdade.

A supremacia branca não é uma manifestação marginal da ignorância americana. É mais o rugido cansado de uma besta velha que, antes de morrer, tenta destruir os últimos restos da humanidade e a história da humanidade..

A supremacia dos imperialistas brancos do passado (europeus, americanos e russos) provocou uma onda de violência que agora vinga a humilhação com suicídio assassino: as bombas nucleares dos norte-coreanos e as bombas humanas jihadistas na metrópole europeia.

É inevitável a propagação da guerra civil sem limites? É! É muito tarde para evitar a explosão de um dispositivo que foi desencadeado por séculos de exploração. Então, porquê discutir, porquê agir, porquê organizar, porquê participar do projeto DiEM25?

A resposta é: porque não nos esquecemos das palavras sábias de John Maynard Keynes.

Se a nossa mente analítica está claramente a pregar o inevitável, a nossa mente imaginativa deve permanecer ativa para que possamos estar alerta e aproveitar a maneira imprevisível do inferno.

DiEM25 deve trabalhar em duas direções:

O primeiro é multiplicar abrigos não-identitários para abrigar quem foge das guerras civis.

O segundo é lançar uma campanha para a redução geral do tempo de trabalho, a introdução do rendimento básico universal e a redistribuição da riqueza pela população.

Isso pode parecer utópico hoje, mas nos próximos anos de perturbação e turbulência, estas propostas irão tornar-se cada vez mais realistas, pois são o único meio para a humanidade ressurgir humana da tempestade.

 
 
 
 
 

Este artigo foi originalmente publicado em e-flux conversations.

 

Do you want to be informed of DiEM25's actions? Sign up here