Porque é que as pensões são uma questão europeia e porque é que a greve pelas reformas também o é (e o que podes fazer para ajudar)

O papel das organizações políticas não é certamente o de substituir os trabalhadores nem os seus sindicatos. No entanto, estas podem a qualquer momento ajudar a prever lutas económicas e sociais de uma forma mais ampla, no tempo ou no espaço, para abrir perspectivas. O actual movimento em torno das pensões em França merece alguma reflexão.
Europa
Em 2003, ocorreu um movimento sobre os regimes de pensões em França. Através da resistência à greve maciça, apoiada principalmente pelo setor educacional, o governo de Fillon conseguiu, pela primeira vez, adiar a idade da aposentadoria para todos os cidadãos. No mesmo período de três meses, movimentos semelhantes aconteceram na Áustria e em Itália. Nenhum dos três não conseguiu derrotar os seus respectivos patrões e poderes políticos.
Austeridade
O movimento dos Coletes Amarelos, dos estudantes, dos professores que enfrentam reformas como a supressão parcial do Baccalauréat (Bacharelato), dos trabalhadores da saúde que enfrentam o colapso dos hospitais públicos, dos carteiros, dos bombeiros, assim como o movimento mais amplo contra os anti-reforma dos regimes de pensões só aparecem como dispersos porque não são considerados em conjunto numa visão política, ainda que bastante evidente. Diz-se tal leva à convergência de lutas, mas todas as situações críticas nestes vários sectores estão totalmente relacionadas com a redução da despesa pública iniciada há décadas pelos vários sucessivos governos de centro-esquerda ou de centro-direita, em França ou noutros países. Para baixar os impostos sobre os mais ricos, reduzir o custo do trabalho (como com o esquema CICE que devolve as suas contribuições aos accionistas), o Estado francês, assim como os outros na Europa, está a liderar uma política de austeridade. Nalgumas línguas, chama-se simplesmente “encolher o Estado”, através da supressão ou da privatização dos serviços públicos. Todas estas lutas são, de facto, uma única luta contra os governos que são simplesmente os substitutos dos accionistas da empresa; em França, o presidente é até mesmo um banqueiro. Eles querem aumentar os seus lucros pagando menos impostos e contribuições aos Estados, que depois encolhem, aceitam gastar cada vez menos quando as populações continuam a crescer e a desigualdade aumenta. Levando a menos gastos públicos em serviços públicos, em sistemas de saúde, em regimes de pensões, etc.
Unidade
Divididos dentro de cada Estado em várias lutas que não sinalizam o seu adversário comum, e entre os vários Estados quando a política de austeridade desejada por todos os accionistas de toda a União Europeia é posta marcha pela Comissão Europeia e pelo Conselho da União Europeia, que são apenas a união de todos os governos, os trabalhadores e as populações da Europa têm vindo a passar da derrota para a vitória dentro da cortina de fumo há décadas. Da mesma forma que os sindicatos não conseguiram levar os trabalhadores para a greve, a não ser os ferroviários e “metroviários”, que fizeram uma greve por procuração para todos os outros como fizeram em 1995, não conseguem encontrar uma forma de sinalizar e enfrentar o seu verdadeiro inimigo: os governos na remuneração dos acionistas unidos na Comissão Europeia. Nunca houve uma greve transnacional anti-austeridade digna desse nome. Talvez seja hora de perguntar por que as lutas nacionais não pagam, ou já não pagam. DiEM25 pretende tomar parte neste novo pensamento, rumo a novas formas de acção vitoriosa. O internacionalismo não é um extra ou um capricho, pode muito bem ser a condição necessária para retomar o controlo do nosso destino, em França e noutros países.
Solidariedade
Por esta razão, colectivos locais do DiEM25 de vários países europeus decidiram mostrar solidariedade organizando eventos nas suas comunidades, e campanhas online apelando aos trabalhadores e cidadãos da Europa para apoiar os seus camaradas franceses, doando para os fundos dos grevistas – geridos pelos sindicatos franceses.
E tu podes também mostrar o teu apoio. Há dezenas de fundos de grevistas aos quais podes doar – locais, setoriais ou nacionais; aqui estão alguns que têm recebido mais atenção dos meios de comunicação social:

 
Artigo pelo Colectivo Nacional Francês
Iniciativa de angariação de fundos lançada pelo CED do DiEM25 Dublin1

Do you want to be informed of DiEM25's actions? Sign up here

Doar para a causa