Que significado têm as novas leis da Bavaria para os europeus progressistas?

Na passada terça-feira, o Parlamento federal bávaro aprovou uma nova lei, que atribui poderes injustificados e excessivos à polícia. A legislação foi aprovada, menos de uma semana depois, de 35.000 pessoas protestarem contra a lei, na maior manifestação em Munique, em meia década.
O parlamento bávaro tem total autoridade sobre a sua polícia, de acordo com as leis federais instituídas depois da queda do regime nazi. No entanto, com Horst Seehofer atuando como Ministro do Interior, do novo Governo central, a nova lei do estado bávaro talvez se transforme, no modelo das leis policiais, em toda a República Federal da Alemanha – um sinal preocupante dos tempos que aí vêm.
Prisão por tempo indefinido e repressão sem motivo
O projeto de lei muda drasticamente o policiamento de prevenção. Dois conceitos centrais: o de “Gefährder” (alguém que representa um perigo) e o de “drohende Gefahr” (perigo iminente). A antiga lei não permitia a detenção por tempo indeterminado. Agora, o Gefährder pode ser mantido na prisão indefinidamente, mesmo sem ter cometido um crime, bastando para isso que o juiz confirme a prisão, cada três meses. Antes, a polícia precisava de um “konkrete Gefahr” (ameaça concreta), para intervir com o objetivo de prevenir um crime. Agora, o “drohende Gefahr” (perigo iminente) é suficiente. Isto baixa drasticamente o nível exigido para a intervenção policial, esbatendo a fronteira entre polícia e serviços de informações,  e abrindo a possibilidade de instituir a tal “polícia secreta”. A definição legal de perigo iminente é extensa, confusa e difícil de perceber – em claro contraste com a clara definição do antigo conceito de perigo concreto. É muito provável que, as forças policiais normais, que operam no terreno, não saibam quando devem, podem o têm de intervir. É muito provável que a isto se sigam inevitáveis violações de direitos fundamentais das pessoas.
Uma agenda reacionária
Infelizmente, a legislação policial é apenas a parte mais proeminente, de toda uma série de iniciativas reacionárias, tomadas pela CSU. O partido no poder tem convidado Viktor Orban para os seus encontros. Recentemente, o primeiro-ministro bávaro mandou colocar crucifixos em todos os edifícios administrativos, na Bavaria, facto que foi criticado duramente até pela própria Igreja Católica. Há apenas algumas semanas, a CSU teve de adiar os seus planos para a chamada “Lei de Ajuda Psiquiátrica”. Supostamente pretendia acabar com a diferença entre delinquentes e pessoas mentalmente doentes, introduzindo um registo online de pessoas em tratamento psiquiátrico, de modo que a polícia pudesse prevenir “o perigo” que eles representam. Depois de muitas críticas, deixaram cair as partes mais chocantes do projeto, incluindo o registo central, com medo da opinião pública.
Desobediência construtiva da Bavaria.
No que diz respeito à lei de polícia, contudo, a CSU parece manter uma linha dura. Como escreveu no Twitter um membro conservador do parlamento: “30.000 pessoas protestaram (…). Mas a maioria silenciosa do povo apoia-nos”. Para além da absurdidade aparente deste argumento, o pressuposto em que se baseia está todo ele errado. É verdade que a CSU governou a Bavaria durante cerca de meio século. Mas, a lei policial repressiva tem tido a oposição de uma ampla coligação, constituída, na sua maioria, por partidos e movimento progressistas, mas também neoliberais do FDP, “eleitores independentes” e muitas pessoas “comuns”. “Vive e deixa viver”, é uma expressão usual e não se pode confiar, de um modo geral, nas autoridades políticas.
O que vai acontecer agora?
É óbvio que os progressistas vão desafiar a lei da polícia, que a Corte constitucional bávara e alemã aprovaram, mas isto talvez demore anos. No outono, vão ter lugar as eleições no estado da Bavaria. O partido no poder, CSU, muito provavelmente irá ganhar as eleições, mas um mau resultado – ou até uma queda nas sondagens – talvez assim mude as suas ideias. O fraco índice de popularidade foi também a razão da atual opção reacionária. Comparando com 2016, a CSU perdeu 7% nas sondagens. O partido receia a competição do partido de extrema-direita AfD. No entanto, nas recentes eleições para o governo central, a CSU perdeu mais votos para o partido neoliberal FDP, do que para a AfD. Assim sendo, a nível interno, alguns estrategas do partido  têm apelado à cautela, relativamente à estratégia em curso. Em vão. Muitos dos responsáveis de topo da CSU são populistas convictos de extrema-direita. Eles usam o AfD como pretexto para políticas reacionárias, que eles próprios desejam – mesmo se isto afasta muitos eleitores. Talvez, só se os índices de aprovação, nas sondagens, continuarem a cair, eles escolham o poder, em detrimento da ideologia.
A cidade rebelde de Munique
A oposição progressista está muito preocupada, mas não desiste. As manifestações da semana passada mostraram como nos podemos  unir, por de trás da ideia de uma sociedade aberta e livre. Muitos jovens protestaram, emancipando-se de um governo que nem entendem, nem suportam.
Parece demasiado cedo para esperar uma revolução política, na sudeste alemão . Contudo, cem anos depois do socialista independente Kurt Eisner proclamar o estado livre da Bavaria, os progressistas europeus devem permanecer vigilantes. No DiEM25, mantemo-nos solidários com o povo da Bavaria e condenamos totalmente a nova lei da polícia. “Pelos que agora perderam, iremos ganhar mais tarde…”.
 

Do you want to be informed of DiEM25's actions? Sign up here

Somos pela democracia… até ela estar ao nosso alcance

O Parlamento Português como um sintoma da falta de democracia na Europa. No mês passado, de modo pouco noticiado, a Assembleia da República ...

Ler mais

Debate público do DiEM25 em Portugal: “A esquerda progressista faz falta à Europa?”

No passado dia 2 de Julho organizámos o nosso primeiro debate aberto ao público com o título “A esquerda progressista faz falta à Europa?”. ...

Ler mais

A Grécia e a UE deixaram para trás mais de 27 mil pessoas no Mar Egeu

Um estudo revela um número alarmante de casos em que a Guarda Costeira Grega e a FRONTEX ordenaram a migrantes que encontrassem o seu próprio ...

Ler mais

Junta-te ao DiEM25 na Marcha Azul pelo Clima!

A Marcha Azul pelo Clima, organizada pela plataforma Salvar o Clima, será já na próxima quarta-feira, dia 29 de junho às 18:00. Começaremos na ...

Ler mais