Sérvia: Depois vieram atrás da nossa água e das nossas casas

O neoliberalismo está a mostrar a sua verdadeira e brutal face na Sérvia. As privatizações escandalosas de empresas que anteriormente eram públicas ou estatais começaram em 1990 e irromperam depois de 2000, durante o período de transição pós-socialista. Agora a Sérvia tem um novo problema – seus recursos naturais básicos e as casas das pessoas estão sob o ataque de empresas privadas, multinacionais, funcionários do governo e seus companheiros.

As empresas estrangeiras têm mais de 90 por cento das fontes de água sob concessão na Sérvia, um dos 50 países do mundo com as maiores reservas de água. Pravo na vodu (Direito à Água) é a principal iniciativa que reúne indivíduos e organizações como Levi samit Srbije (Cúpula da Esquerda da Sérvia), Sedam zahteva (Sete Demandas) e Socijaldemokratska unija (União Social-Democrática) sob seu guarda-chuva. Eles estão empenhados em lutar pelo direito dos cidadãos sérvios de ter água como um bem público que não pode ser tirado ou privatizado.

Fotos do Facebook dos protestos do “Pravo na vodu” (Direito à Água) na Sérvia

Para piorar as coisas, foram feitas concessões a investidores privados para pequenas centrais hidroeléctricas. No processo, rios e riachos são drenados, ecossistemas arruinados e o resultado deste acordo não é mais do que 2% da produção nacional de eletricidade. Os cidadãos reunidos em torno da iniciativa Odbranimo reke Stare planine (Defender os rios de Stara planina) e as populações locais estão a lutar para proteger os rios, ribeiros e cataratas das montanhas no sudeste da Sérvia de serem arruinados por grandes empresas e tentam proteger a natureza através de protestos e bloqueios. Alguns dos manifestantes que estavam a enfrentar uma força brutal de bandidos de investidores privados são mulheres de 80 a 90 anos que vivem em aldeias ameaçadas.

Not on our watch! (Não enquanto estamos de guarda!)

Assim, uma vez que a água é privatizada, vastas terras agrícolas são vendidas por pouco dinheiro, e minas com muitos minerais e metais preciosos são trocadas por capitalistas estrangeiros, há mais uma coisa a fazer – meter os cidadãos da Sérvia fora das suas casas. Ao contrário de muitos países europeus, em 2017, a Sérvia tinha apenas cerca de 600.000 inquilinos, o que representa menos de 10 por cento da população. A grande maioria dos cidadãos (ainda) possui os seus apartamentos e as suas casas ou partilham as casas com membros das suas famílias. Mas se olharmos para o processo de despejos forçados nos últimos sete anos, isso não pode voltar a acontecer.

Os locais, entre eles também mulheres de 80 a 90 anos, juntam-se aos protestos contra a exploração dos rios de Stare Planine na Sérvia. Foto de Aleksandar Novaković

Não há dúvida de que essas casas expropriadas serão usadas para se tornar casas dos novos homens ricos ou alugadas para aqueles que não estão com falta de dinheiro, sejam eles membros da casta superior da sociedade ou empresários estrangeiros. Mais de 3000 desapropriações de imóveis, principalmente casas particulares, aconteceram nos últimos sete anos, às vezes por dívidas menores ou contas não pagas de eletricidade ou gás neste país com renda do terceiro mundo e com crescentes passivos privados. Os Bancos, o sistema judicial doméstico, a polícia e os oficiais de justiça privados com seus “especialistas em segurança” contratados por empresas privadas estão a expulsar as famílias, na maioria dos casos cidadãos aposentados, mães solteiras, trabalhadores pobres ou refugiados das guerras de 1990 na Iugoslávia. Os oficiais de justiça privados que têm o monopólio dos despejos têm o apoio do regime. Fazem-no em proveito próprio, vendendo frequentemente propriedades abaixo do valor de mercado à sua rede de contactos.

Os manifestantes carregam uma faixa dizendo “O povo está faminto, a elite está feliz” em manifestações anti-governamentais em Belgrado, Sérvia, 12 de janeiro de 2019. Foto de Nick Ashdown/The World

No entanto, a iniciativa Združena akcija Krov nad glavom (Ação Coletiva Telhado Sobre a Cabeça) é a única verdadeira força que luta pelos direitos dos oprimidos. Os seus membros são também frequentemente membros de organizações e partidos progressistas e de esquerda, como a Socijaldemokratska unija, Sedam zahteva, Ne davimo Beograd, Marks 21, Levi samit Srbije e DiEM25 Belgrado. O Teto conseguiu aumentar a conscientização sobre o problema não apenas por meio de ações legais, protestos, petições e contatos com a imprensa, mas também através da defesa física daqueles cujas casas são ameaçadas pelos executores e pela polícia. Ameaças do regime sérvio, como multas, prisões e até mesmo sentenças de prisão, não assustam essa corajosa equipa de pessoas na sua luta pelos direitos básicos de cada ser humano, como o de ter um teto sobre sua cabeça.

Logo da Združena akcija Krov nad glavom (Ação Coletiva Telhado Sobre a Cabeça)

É apenas uma questão de tempo em que todas estas lutas pela água, pelo ambiente saudável, pelo empregoe pelas casas se tornarão uma única luta comum pela primeira alteração da Constituição sérvia: “A República da Sérvia baseia-se no Estado de direito e na justiça social”.

E vem com uma mensagem a todos os nossos camaradas europeus: Se tolerarem isto, o vosso país será o próximo!

Aleksandar Novaković é historiador, dramaturgo e membro do DSC Belgrado 1

Foto em cima: Balkan Rivers semana de ação em julho de 2019. Foto de “Salvar o Coração Azul da Europa“.

Do you want to be informed of DiEM25's actions? Sign up here