Dia Mundial de Luta contra a SIDA: O poder da política não convencional

A história da luta contra a SIDA, é uma história de movimentos “grassroots” e pandemias.

Existem movimentos LGBTQIA+ activos em todo o mundo, em centenas de organizações locais, nacionais e transnacionais que lutam pela saúde, bem-estar e reconhecimento. Mas poucos se lembram do catalisador para uma re-imaginação tão forte e poderosa: a rebelião de Stonewall e as subsequentes marchas do Orgulho – e mais importante, os movimentos e organizações de base que surgiram em resposta à pandemia de Sida que, até o momento, reivindicou 35 milhões de vidas. Isto torna-a uma das doenças com maior mortalidade da história humana.

Os números de hoje: 38 milhões de pessoas vivem com HIV, 1,7 milhões de pessoas são infectadas anualmente, 690.000 morrem de causas relacionadas ao HIV todos os anos e há 12,6 milhões de pessoas que não têm acesso a tratamento.

O Dia Mundial da SIDA, o primeiro dia global dedicado à saúde, foi estabelecido em 1988 após 7 anos de intenso activismo que começou em 1981, no apartamento do dramaturgo e ativista gay Larry Kramer. Este momento levou à fundação da organização Gay Men’s Health Crisis e, mais tarde, à ACT-UP.

Mas a aceitação e a integração da agenda LGBTQIA +, tinham começado bem antes disso, e a opinião pública estava em mudança. Comunidades fortes e activas já tinham surgido em torno dos bares e clubes em São Francisco e Nova York antes, e a comunidade LGBTQIA + já se organizava em torno de políticas de identidade transformando-se num movimento quando a crise da SIDA chegou.

Esta tornou-se uma oportunidade não apenas para o movimento se reunir e lutar, mas também uma forma de questionar o que significava a vida gay e como ela havia sido construída tanto por dentro como por fora. Homens e mulheres gays aprenderam a fazer da marginalização e do insulto um chamado às armas e uma forma de repensar a identidade.

“Se nos comportarmos como aqueles do outro lado, então somos o outro lado. Em vez de mudar o mundo, tudo o que vamos alcançar é um reflexo do mundo que queremos destruir. ”

— Jean Genet, The Balcony, 1956

A luta pela relevância política e social, pela sobrevivência, e pela liberdade de se autoidentificar é uma luta contínua para a comunidade LGBTQIA +.

A comunidade tem de lidar constantemente com instituições e governos hostis, bem como com organizações religiosas em todo o mundo.

Houve um antes e um depois de Larry Kramer e da ACT-UP no mundo da medicina, como testemunhou notoriamente o Dr. Fauci, que na época era diretor do Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas do National Institutes of Health e que agora está na equipa de trabalho do Corona vírus. É uma prova do que os movimentos populares e a pressão política organizada em torno da dissidência podem fazer. Inspirado pelo movimento dos direitos civis afro-americanos, o ACT-UP usou táticas semelhantes para conscientizar e mudar a opinião pública, bem como forçar os políticos a agir: boicotes, desobediência civil não violenta, marchas e manifestações.

Durante os anos dos governos Reagan nos Estados Unidos e Thatcher no Reino Unido, a SIDA afetava de forma preponderante homens gays, consumidores de drogas, a comunidade negra e profissionais do sexo. Estes governos ultraconservadores hesitaram e adiaram ativamente o reconhecimento da epidemia. Se compararmos os cronogramas do COVID-19 com as respostas à SIDA, é  gritante e transparente como a vontade política cria e influencia a transformação da sociedade, bem como os programas de pesquisa e financiamento.

Desde os primeiros casos de SIDA, que era popularmente conhecida como ‘Cancro Gay’ em 1981, até ao momento em que Ronald Reagan reconheceu publicamente a epidemia em outubro de 1987, cerca de 30.000 pessoas já haviam morrido da doença. Foi uma época de homofobia galopante e ataques virulentos de igrejas e pastores evangélicos profundamente conservadores, que viam a SIDA como uma grande oportunidade de impulsionar sua agenda reacionária e demonizar a homossexualidade. Ronald Reagan estava jogando com sua base, tal como Trump faz hoje em dia, ao negar-se a reconhecer e tomar medidas numa crise de saúde que afetou mais as comunidades marginalizadas e racializadas.

Esse tipo de política transformou-se em agendas administrativas e políticas federais, o que significa que faltava financiamento para pesquisas e a educação sobre saúde sexual, que era frequentemente proibida por motivos morais e religiosos. Somando-se a isto a recusa da Igreja Católica em legitimar as práticas sexuais seguras em todo o mundo. O resultado de tais políticas causou sofrimento e morte em números incalculáveis para milhões de pessoas até hoje.

“Temos tudo o que é necessário para salvar nosso mundo, exceto a vontade de o fazer. Deveria ter sido simples – lutar pelos nossos direitos, cuidar de nós mesmos e dos outros, ter orgulho em nós próprios, ter orgulho de sermos gays. Devia ser por isso que todos gays lutam, sete dias por semana. ”

— Larry Kramer, 2019

Algo que todos podemos aprender com os sucessos e fracassos da luta contra a SIDA, é o poder da política não convencional.

Desde o ativismo de décadas da ACT-UP e de outras organizações, podemos ver o quão importante é que a resistência, a política de rua e das bases, se tornem uma forma de fazer política e não apenas uma forma de reagir à política de crise da agenda neoliberal. O envolvimento constante, a participação e os processos democráticos são eficazes: o desenvolvimento e a implantação de drogas experimentais para combater o HIV, resultaram em grande parte de políticas não convencionais de ativistas e organizações de bases.

Tal como no caso da SIDA, é nas populações marginalizadas e racializadas que COVID demonstrou ter um  impacto negativo e destrutivo mais pesado. Populações que provavelmente serão as últimas na fila para a implementação global de ações preventivas (basta ver como o COVID afecta as populações transversalmente de acordo com a classe, sexo, raça), bem como no acesso á vacina.

Pessoas vivendo com HIV ou SIDA têm maior probabilidade de viver e trabalhar em condições nas quais o distanciamento físico não seja uma opção. Ambas as epidemias ocorrem em compasso com a desigualdade.

O tema da observância deste ano é “Acabando com a Epidemia de HIV / SIDA: Resiliência e Impacto”.

O estigma em torno do HIV e SIDA, persiste até hoje e muitos ainda ignoram os fatos sobre a transmissão e protecção. Muito precisa ainda de ser feito em pesquisa, educação, campanhas de defesa e leis para proteger os mais vulneráveis:

Para entender mais sobre o Dia Mundial da SIDA e mostrar solidariedade aos milhões de pessoas que vivem com HIV/SIDA em todo o mundo, sugerimos os seguintes recursos:

  1. European Centre for Disease Prevention and Control
  2. WHO Europe

Fotografia: Activistas da ACT UP,, um grupo co-fundado por Larry Kramer, encontrada numa foto de arquivo de uma demonstração.

Fonte da fotografia: cortesia da HBO.

 

Do you want to be informed of DiEM25's actions? Sign up here