Minorias oprimidas mantidas como reféns na mesa de negociações da UE

Mordendo a mão de quem o alimenta: Orbán utiliza migrantes, LGBTQIA+ e mulheres, para levantar muros em torno de uma ideia anacrónica de Estado, contra os supostos ataques ‘liberais’.

Os polacos começaram a mobilizar-se contra a decisão do seu governo autoritário, de continuar a restringir a sua autonomia corporal. Agora, a Europa enfrenta mais um ataque fundamental aos direitos humanos, desta vez por parte do governo húngaro de extrema-direita.

A 11 de Novembro de 2020, mesmo antes do segundo confinamento devido à pandemia, o governo de Viktor Orbán anunciou uma emenda opressora na Constituição, que interfere directamente na vida pessoal dos cidadãos.

O projecto de emenda liderado pela sua Ministra da Justiça Judit Varga, declara que deve ser garantida às crianças uma “educação baseada em valores da (…) cultura cristã húngara”.

O “casamento” de Viktor Orbán com “valores cristãos” é uma tentativa de reafirmar a narrativa colonial dominante, nas suas novas configurações pandémicas oligárquicas. As hegemonias foram sempre construídas através da exclusão, apropriação e demonização de corpos historicamente marginalizados, nomeadamente mulheres, queer, minorias religiosas e étnicas.

Instrumentalizando a pandemia da COVID-19 para aplicar o que é conhecido como a “doutrina do choque”, movimentos de extrema-direita na Europa e em todo o mundo estão a fazer os seus movimentos mais impopulares contra os direitos humanos: vê-se uma estratégia coordenada, impulsionada pelo oportunismo.

Tornou-se evidente, seguindo o veto do eixo polaco e húngaro sobre o orçamento da UE, assim como o pacote de recuperação COVID-19, que a mesa de negociações para os aspirantes a ditadores é um lugar de contradições.

A patriarquização da sociedade polaca e húngara, e a sua polarização contra a UE tornaram impossível chegar a um compromisso político sem pôr em causa o próprio conceito de masculinidade, encarnado pelo líder do Estado.

Viktor Orbán está a usar as minorias oprimidas na Hungria para forçar a mão de uma UE desesperada para mitigar as consequências económicas da pandemia. No caso do projeto húngaro de Orbán ele não pode ser visto pelo seu eleitorado como “cedendo” à UE e às suas exigências para defender a lei da União. Isto iria certamente criar dúvidas sobre a credibilidade da sua política – uma política de violência sistémica, divisão, racismo e patriarcado, decretada através de injustiça económica, ambiental, racial e de género, deslegitimação e abuso.

Como Robert M. Cover salienta brilhantemente no seu ensaio sobre violência, esta é uma política decretada através de linguagem e interpretação normativa, a fim de infligir deliberadamente “dor a fim de destruir a capacidade de criar realidades partilhadas” necessária para qualquer sociedade saudável.

O poder e a riqueza não vêm de graça, estamos cansados de nos pedirem para pagar o preço. A comunidade LGBTQIA+ está aqui para ficar: Os direitos do arco-íris são Direitos Humanos!

Fonte da fotografia: European Council Newsroom.

Do you want to be informed of DiEM25's actions? Sign up here